FANDOM


— Por que a Susan vai usar o vestido de cristais? — Hillary perguntou.

— O vestido foi um presente da mamãe da nossa boutique de roupas. Você não ia querer ele, é da coleção passada, você só usa as últimas tendências da moda. — Ela dá uma risadinha.

— Por que o meu vestido têm mais frufrus que o da Hillary? — Mary perguntou. — Eu vou ter que aguentar essa coisa colada no meu corpo?

— Essa “coisa” foi o único modelo do seu tamanho. — Cheryl disse, ajeitando o blazer.

No confessionário — Eu não acredito que eu não posso estourar o limite do cartão de crédito fazendo compras mas a Susan recebe os modelos da boutique em primeira-mão! Isso é um absurdo! — Hillary grita com raiva e o confessionário acaba.

— Vocês podem ir na frente, eu preciso fazer uma ligação agora. — Hillary disse, já abrindo a outra porta do quarto. — Briana, Lizzie! Eu preciso de vocês, é uma emergência!

Minutos depois, a campainha da mansão tocou e Hillary correu para atender. Com uma limusine e um motorista particular, as três chegaram ao local onde ocorria o evento: uma mansão de luxo belíssima. Ele estacionou o carro em uma das vagas e as três adentraram o evento.

— Não está um pouco cedo para chegarmos aqui? — Briana perguntou.

— Bom, pelo menos os fotógrafos já devem ter chegado. — Hillary respondeu.

— Prazer em conhecê-las! — Um rapaz de cabelos louros que usava um terno disse, dando uma risadinha e se aproximando.

— O prazer é nosso! — Hillary disse, dando um sorrisinho com o canto da boca. — Quem é ele? — Cochichou para Lizzie, a deixando confusa.

— Boa noite. — Briana disse. — Você deve ser o anfitrião, certo?

— Aaaah, você é a Srta. Carson! — Disse, apontando para Hillary. — Quase não a reconheci! Mary e Susan estão a esperando lá dentro.

— Ha, ha, ha! — Hillary disse, dando uma risadinha constrangida. — Podemos entrar?

— Oh sim, fiquem à vontade! — O rapaz louro abriu a porta e as três adentraram a mansão. Era tão grande e requintada quanto a mansão da família Carson, porém com vários mordomos perambulando com bandejas.

— Então, como nós vamos saber onde elas estão? — Lizzie perguntou.

— Prestem atenção meninas, nós temos que agir com naturalidade! Se começarem a nos encarar, acenem sorrindo e finjam que nada está acontecendo. 

— Ei! Não é a sua mãe e as suas irmãs ali? — Briana perguntou, apontando para elas.

— Claro que não! Não seja ridícula.

— Tem certeza, Hillary? Porque eu estou vendo alguém idêntica a sua irmã usando um vestido de cristais. — Lizzie disse, fazendo Hillary lançar um olhar mortal para ela.

— Vocês não querem se juntar a nós? — Susan perguntou, saboreando uma taça de vinho.

— Nem olhe para mim! — Hillary disse. — Eu não vou estragar minhas unhas!

— Briana, é falta de educação apontar com o dedo com quem se fala ou de quem se fala. — Cheryl disse. — Não me leve a mal, eu sei que você não fez de propósito. Não aponte, só quando é absolutamente necessário, mas tome cuidado para não esbarrar em outra pessoa.

— Desculpe, foi por uma boa causa! — Briana sorriu.

— O que vocês acham do meu vestido? — Hillary perguntou, girando.

— É lindo, Hillary! — Susan respondeu.

— O seu também é maravilhoso, Susan! — Hillary disse, dando um sorriso forçado.

— O que você está tentando fazer? — Mary perguntou.

— O que você acha que eu estou fazendo?

— Sendo maluca, para variar. — Lizzie disse, puxando Hillary pelo vestido até a mesa. — Droga! Não aguento mais ficar lá dentro.

— Eu realmente sinto que a Susan está copiando o meu estilo.

— Por que você acha isso?  — Lizzie perguntou, pegando quitutes da mesa. — Ela pode ter um jeito infantil, mas não acho que ela iria querer copiar o seu estilo. Digamos que ela é muito… “lenta” para isso.

— Eu acho que em relação a estilo, nós pegamos coisas uma da outra. A Susan sempre foi mais despojada, não faz sentido ela vir para esse evento com o vestido de cristais.

— Você acha que a Susan está tentando ser competitiva?

— Não sei, talvez ela só quer fazer tudo o que estou fazendo. — Hillary respondeu. — Quando éramos mais novas, ela era bem competitiva.

— Mas por que você não conversa com ela, tipo “você pode não copiar o meu estilo”? Ou talvez ela não tenha ideias legais, como você disse, ela se veste de um jeito largado, então você deveria se sentir lisonjeada porque ela te acha super criativa.

— É. Ela definitivamente acha. Certo, Briana? — Hillary se desespera e arregala os olhos. —  Onde está a Briana?

No confessionário — O lado ruim desses eventos é que eles sempre são quantitativos em duas coisas: convidados e extensão. Isso quer dizer que se você se perde uma vez, não tem mais volta. — Hillary suspira e o confessionário acaba.

— Ela deve ter ficado lá dentro com as outras. — Lizzie disse, dando uma mordida em ameixas frívolas. — Eu não estou com vontade de voltar lá, não agora.

— Você… sabe que ameixas frívolas são afrodisíacas, né?

— Não.

No confessionário — As ameixas são afrodisíacas porque, assim como o pêssego, na arte chinesa elas representam o símbolo das partes íntimas da mulher. No tempo da rainha Isabel I de Inglaterra, serviam-se ameixas secas nos bordéis por serem consideradas afrodisíacas. — Briana diz e o confessionário acaba, cortando diretamente para mansão com Hillary e Lizzie conversando.

— Quem é aquele conversando com a sua irmã? — Lizzie perguntou.

— Ele é gerente de uma banda que estreou recentemente, um dos nomes mais influentes no continente asiático. — Hillary disse, pegando uma taça de champanhe. — Que estranho! O que a Mary iria querer com alguém desse porte?

— Você está falando sério? — Mary gritou.

— Eu vou lá ver o que eles estão conversando, depois nós procuramos a Briana.

— Ah sim! — Lizzie exclamou. — Por mim, tudo bem. Vou procurar por ela!

Hillary vai até a direção de ambos. Imediatamente, Mary para e se vira para ela.

— Hillary? Algum problema? — Perguntou.

— No que você está pensando? — Hillary bufou. — Olha só, estou começando a perder a paciência com você! Deixou as outras lá dentro e veio conversar com ele?

— Hã? — Mary gargalhou. — Do que você está falando? Nós estamos conversando sobre as Olimpíadas de Tóquio e a inclusão de karatê, beisebol, escalada e skate como modalidades. Quem é você, afinal? Minha mãe?

— Como assim?

— Nossa! Como você é irritadinha, hein? — Ele falou.

— Não fiquei irritado com ela, senhor. Sabe qual é o nome disso? Ataque de estrelismo! — Mary continuou, de forma fria. — A obsessão pelos holofotes é tanta que precisa suprimir o estresse com a vida de subcelebridade de reality show. Espero que um dia você cresça, Hillary.

Não demorou muito para que Hillary voltasse para a mesa.

— Lizzie, pode me emprestar seu celular, por favor? — Hillary disse, se dando conta que Lizzie não está lá. — Lizzie?! Não acredito! Primeiro a Briana, agora a Lizzie.

— AAAH! — Hillary ouviu o grito de uma voz feminina familiar, bem próxima a ela.

 — Opa! — Lizzie exclamou, pisando e rasgando a cauda do vestido de cristais de Susan propositalmente. — Me desculpe, eu sinto muito!

— Tudo bem, a culpa não foi inteiramente sua. — Susan sorriu.

— Posso saber o que está havendo aqui? — Cheryl perguntou. Susan engoliu em seco, mas tentou não ficar tensa demais, considerando que todos estavam encarando a cena.

— Não está havendo nada demais, mãe. — Disse, tentando contornar a situação.

— Lizzie, você está bem? — Hillary foi até ela, a abraçando.

— Tem certeza que está tudo bem, senhorita Carson? — Uma moça que observava a situação perguntou, erguendo a sobrancelha. — A parte de trás do seu vestido está rasgada, e ele foi bordado com cristais.

—  É verdade isso, meninas? — Cheryl perguntou, colocando as mãos na cintura.

— A culpa é dela! — Mary disse, apontando para Lizzie. — E eu aposto que a Hillary tem caroço nesse angu!

— Ei! Não aponte assim para a Lizzie, ela já disse que não foi de propósito.

— Mary! Eu já disse que apontar com o dedo é falta de educação! — Cheryl disse, colocando a mão na testa.

— Manter um tom de voz adequado para o ambiente em que se está é essencial antes de criticar qualquer um. — Cochicharam em meio a multidão.

— Não sei como você a atura! — Lizzie disse. — Essa tiriça é muito irritante.

— O que aconteceu? — Briana perguntou.

— Ai, droga! Eu temia o dia em que isso iria acontecer! — Hillary disse, colocando a mão na testa. — Nós vamos sair na primeira página nos tabloides amanhã!

— Brilhante! Não era você que queria a atenção dos fotógrafos? — Mary bateu palmas com ironia.

— Chega de problemas por hoje. — O anfitrião suspirou, cruzando os braços.

— Eu preciso respirar antes de ter um ataque de pelanca! — Hillary disse, correndo e derrubando um garoto, que caiu pra trás e quebrou uma garrafa de champanhe.

— Você deveria prestar mais atenção por onde anda! — O garoto falou, um pouco impaciente. — O que houve com você, srta. Carson?

— Cala a boca! — Hillary gritou, o empurrando e se levantando.

— É muita humilhação por hoje, vamos embora logo! — Cheryl disse. — Ah, não! Hillary, o motorista particular que trouxe vocês, ele não ficou esperando?

— Ele só estacionou em uma das vagas e foi embora logo depois. — Briana respondeu.

— Eu posso levar vocês embora! — Lizzie sugeriu. — Só preciso de um carro, é claro.

A cena muda para a mansão.

— Então… Lizzie não lidou bem com o momento, ficou bêbada e acabou sendo presa por dirigir alcoolizada? — Hillary perguntou.

— Ela quase foi presa, mas não foi. De qualquer jeito, nós tivemos que pagar uma multa por excesso de velocidade. — Cheryl respondeu.

— Por que você está perguntando isso se você estava presente no momento? — Mary perguntou.

— Você sabe que eu sou sensível! — Hillary disse, sem muita reação. — Bastou um drinque e eu já caí no sono a viagem inteira.

— Chegou a minha hora! — Susan disse, descendo a escada carregando suas malas. — Vou voltar para Milão para administrar uma galeria que vai financiar a Milan Fashion Week.

— Bom… Vou sentir sua falta! — Mary disse.

— Eu também vou sentir a sua, Mary. — Susan disse, a abraçando.

 — Espera! É sério? — Hillary exclamou. — Você só usou o vestido de cristais porque era uma ocasião especial que você ia passar com a família?

— É… Eu acho que sim. Mas não precisa se preocupar quanto a isso, imprevistos acontecem. — Ela sorriu. — A Milan Fashion Week é um dos maiores eventos de moda e eu vou ter acesso as coleções de roupa, trago algo para você.

— Obrigada! — Hillary disse, a abraçando.

— Filha, eu vou com você até o aeroporto. — Cheryl disse e Hillary e Susan terminaram o abraço. — Até qualquer dia, Susan!

— Espera, eu também vou! — Mary gritou, acompanhando as duas.

— EU SOU UM MONSTRO! — Hillary grita e o círculo se fecha em seu rosto.

Anterior:
The Hillary Carson Show: I
Susan Está em Casa Próximo:
Problema em Dobro

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória